Filme

Um Contratempo

Envolvente do início ao fim, com tom investigativo, cheio de detalhes e surpresas, o filme “Um Contratempo” vai te deixar de boca aberta!

049793.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Adrian Doria é um homem de negócios, bem sucedido, inteligente e casado. Ao primeiro olhar parece tudo perfeito, porém Doria mantém um caso amoroso com sua amante fotógrafa Laura Vidal. Toda a trama do filme se inicia quando o mesmo acorda em um quarto de hotel totalmente desconhecido, sem saber como chegara lá, é surpreendido com a sua amante morta no chão do banheiro, rodeada de notas de dinheiro. Doria se encontra trancado e sozinho no quarto, quando policiais chegam e o apontam como criminoso.

A partir desse momento, Doria contrata uma famosa advogada para solucionar o caso, ambos tentam entender como o crime ocorreu,  buscam respostas para descobrir como o assassino conseguiu matar sua amante sem deixar rastros e com um grande detalhe: conseguindo trancar o quarto por dentro sem nenhuma possibilidade do mesmo sair pelas janelas.

051981.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx.jpg

É nesse contexto em que o filme vai caminhar para dúvidas intrigantes, com reviravoltas e uma história cheia de mistérios. O espectador é surpreendido a cada minuto, sendo praticamente impossível descobrir o desenrolar da história e seu chocante final. O roteiro escrito por Oriol Paulo é recheado de flashbacks, tornando tudo mais interessante, fazendo com que o espectador crie a todo instante milhares de teorias.

Para quem gosta de filmes de mistério, investigação, com assassinatos e uma história difícil de solucionar, é o filme ideal para assistir. Por mais que seja cheio de detalhes, não é um filme cansativo, a história é bem amarrada e sem enrolação. Filme perfeito para prender os nossos olhos na tela e para assistir com aquele amigo que sempre acha que sabe o final da história!

050262.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx.jpg

Trailer legendado abaixo (filme disponível na Netflix):

Elenco: Mario Casas (Adrián Doria); Bárbara Lennie (Laura Vidal); Ana Wagener (Virginia Goodman); José Coronado (Tomás Garrido); Francesc Orella (Félix Leiva); David Selvas (Bruno).

Direção: Oriol Paulo

Filme espanhol produzido em 2016

Imagens: Copyright Warner Bros Pictures España

Thatiana Napolitano

Filme

A Bruxa

bruxaposter3_02022016

Um filme que se passa em pleno século XVII na Nova Inglaterra, um contexto no qual a religiosidade é de extrema importância para a vida em sociedade, uma família inglesa acaba sendo banida da comunidade na qual viviam por serem acusados de heresia. William (Ralph Ineson) e Katherine (Kate Dickie) partem para o interior da região com a esperança de encontrarem terra para plantio e assim poderem reconstruir suas vidas do zero.

A família fica totalmente excluída da civilização em terra estranha. Os pais encontram grandes dificuldades ao terem que sustentar, em precárias condições, todos seus filhos: Thomasin, Caleb, um casal de gêmeos Mercy e Jonas e o bebê Samuel. É nesse sofrido e difícil cenário, rodeados por uma floresta nada acolhedora, que muitos acontecimentos estranhos e assustadores irão aos poucos abalar o núcleo familiar.

322794.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

“A Bruxa” não se trata de um filme de terror e suspense que a maioria das pessoas estão acostumadas a assistir. Não espere jumpscares e todo aquele clichê, pois o filme desconstrói a todo momento a fórmula esperada do gênero terror. Todo o pavor que permeia o filme se encontra na maneira em que a história é construída, e a mesma é apresentada aos poucos com cenas em cores frias, sem vida, bem lentas, trabalhadas em diálogos sugestivos que criam um forte clima de tensão. A trilha sonora também é um dos pontos mais altos do filme, é de arrepiar e a mesma insinua sensações perturbadoras a cada cena.

Todo o terror psicológico envolvido na narrativa ocorre através de um questionamento e crítica ao pensamento da época (e que curiosamente nos faz refletir sobre o nosso contexto atual). O filme levanta questões interessantes, de maneira inteligente, acerca do fanatismo religioso ao nos apresentar situações que mostram como a religião era de extrema importância para a família e como a mesma irá encarar o inesperado.

322461.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx.jpg

Mais do que um dos filmes de terror disponíveis, “A Bruxa” é um bom filme para quem gosta de refletir acerca das questões que são levantadas e prefere um terror menos óbvio, mais surpreendente. É preciso estar imerso para sentir a tensão proposta e se deixar envolver pelo terror psicológico. Com cenas fortes, impactantes, metafóricas e com um roteiro muito bem construído esse é um filmes do gênero que não dá pra deixar de assistir. Recomendo!

Trailer:

Imagens: Copyright Universal Pictures

Direção: Robert Eggers
Elenco: Anya Taylor-Joy (Thomasin); Ralph Ineson (William); Kate Dickie (Katherine); Harvey Scrimshaw (Caleb); Ellie Grainger (Mercy); Lucas Dawson (Jonas).

Thatiana Napolitano

livro

Resenha: Quando a Noite Cai – Carina Rissi

18928246_10212979851716478_1397149445_n

Título: Quando a Noite Cai

Ano: 2017

Editora: Verus Editora

Autor: Carina Rissi

Número de Páginas: 447

Quando a Noite Cai é o mais novo livro da escritora brasileira Carina Rissi. É o primeiro livro dela que leio e quando o terminei compreendi todos os elogios que ouvi da autora que é considerada a rainha do Chick-lit.

Nossa protagonista Briana Pinheiro é uma pessoa com pouca sorte, não consegue se manter em um emprego e precisa de dinheiro para ajudar a mãe, já que a pensão da família não vai muito bem, na verdade está bem perto de fechar as portas. Além de todas essas responsabilidades, quando Briana vai para a cama à noite ela sonha com castelos, espadas, aldeias e um guerreiro irlandês. Quando é demitida pela terceira vez dentro de um mês, Bri continua com a coragem que tem para procurar um novo emprego e em busca disso sua vida acaba cruzando com a de Gael O’Connor.

Gael O’Connor é uma pessoa bem reservada, de poucas palavras e possui um olhar misterioso. Grande empresário, Gael oferece emprego para Briana em uma de suas empresas.  Com essa grande oportunidade em mãos, Briana tenta manter a sua má sorte longe do escritório para tentar se manter no emprego o mais tempo possível. Além de cuidar de sua má sorte, ela tenta não confundir seu misterioso chefe com o  guerreiro que invade seus sonhos, pois são muito parecidos, de forma a parecer que o homem dos seus sonhos saiu do mundo imaginário para a vida real.

Porque meu coração estúpido havia misturado tudo. Apesar de todas as minhas tentativas de manter as histórias separadas, ele não conseguiu discernir o que era real da fantasia. 

Briana é uma personagem muito rica, apesar de não ter a sorte ao seu lado, ela não se deixa abater pelos infortúnios do destino. Alegre, cheia de humor e corajosa, corre atrás de emprego e maneiras que possam ajudar a mãe e a irmã, que não trabalha para que possa terminar a sua faculdade. Sempre colocando a família em primeiro lugar, Briana acaba se esquecendo de suas vontades e de seus sonhos.

Porque, quando se ama, por mais impossível que possa parecer, a esperança persiste e você luta até o último suspiro.

Com muita magia, paixão e mistérios, Quando a Noite Cai nos envolve. Demorei um pouco para engatar a leitura pois estava com os personagens do último livro que li na cabeça, mas em nenhum momento a leitura ficou desinteressante, pelo contrário, ia ficando cada vez mais gostosa, interessante a medida que os mistérios iam sendo apresentados, dando aquele frio na barriga nos fazendo ler e engolir o livro rapidamente, num piscar de olhos.

A magia do livro, da escrita da autora me envolveram de tal forma que eu não conseguia mais parar de ler, ansiosa para saber os desfechos, que a Carina conseguiu amarrar muito bem sem deixar dúvida alguma. Super envolvida na leitura, me peguei diversas vezes pesquisando sobre os lugares da Irlanda que são citados na história e fiquei maravilhada ao saber que eles existem, me deixando muito mais apaixonada pela história de Briana e Gael.

 

É natural do ser humano lutar. E, sempre que nos sentimos ameaçados, acuados, amedrontados ou feridos, nós atacamos porque é o jeito mais fácil de mascarar a dor. Perdoar exige muito mais: mais bravura, mais coragem, mais força.

Mesmo ouvindo muito bem sobre o livro e autora, tentei não elevar minhas expectativas,  e acabei encontrando com uma história muito diferente do que eu já li, esse foi o ponto alto da leitura para mim. Com toda a certeza essa história vai aquecer meu coração toda vez que vir o livro na prateleira e com mais certeza ainda, essa é uma história de amor puro que é para ser lida e relida. Recomendo a leitura e estou muito ansiosa para ler os próximos livros da autora.

Thaisa Napolitano

livro

Resenha: Os Mistérios de Sir Richard – Julia Quinn

18834320_10212935096757632_519370744_n

Título: Os Mistérios do Sir Richard

Ano: 2017

Editora: Arqueiro

Autor: Julia Quinn

Número de Páginas: 272

O quarto e último livro da série o Quarteto Smythe-Smith é intrigante. O livro narra uma história totalmente diferente do que vínhamos lendo, um romance com mistérios envolvidos que nos fazem imaginar qual será o segredo que o Sir Richard guarda e como acabará essa história.

Sir Richard Kenworthy, está desesperado para encontrar uma noiva e está desta forma porque tem pouquíssimo tempo para essa busca, e com isso não poderá ser muito exigente. Ao assistir o tradicional recital da família Smythe-Smith, Richard tem certeza de que encontrou a pessoa certa para desempenhar o papel de sua esposa, uma pessoa que não atrai tantos olhares assim.

Iris, violoncelista do quarteto se esconde atrás de seu instrumento enquanto toca. Uma jovem discreta que atrai o olhar do Sir Richard. Iris se sente desconcertada e  fica imaginando tais motivos que levaram aquele moço a encara-lá com tanta vontade. Ao fim do recital, Sir Kenworthy pede ao seu amigo Winston que o apresente a dama, que apesar de ficar lisonjeada com seus elogios, sente algo estranho no ar, ficando desconfiada da tamanha atenção daquele cavalheiro para si.

A história gira em torno do mistério do Sir Richard, sabemos que sua propriedade não está muito bem financeiramente, mas os segredos vão mais além, nos fazendo questionar quais serão e confesso que imaginei coisas bem aterrorizantes. Vivi junto com a personagem o drama de descobrir os segredos e dividi seus sentimentos, chegando por vezes a me emocionar.

18871150_10212935092477525_679962882_n

Assim como os outros livros da série, Julia Quinn nos faz refletir criticamente a maneira de como os casamentos eram arranjados, sem amor e o interesse entre as classes. Sem dúvidas essa história me cativou, Julia Quinn me cativa sempre, mas essa não é a minha história preferida do quarteto. Os livros podem ser lidos em qualquer ordem, são histórias independentes, mas claro, sempre tem uma menção de um fato ou outro que ocorreu no livro anterior, por isso prefiro ler em ordem.

E assim fechamos o mês de maio, que dedicamos especialmente para a notável Julia Quinn. Os livros são lindos, cheios de romances, humor, inteligência, leveza, com diálogos espertos e personagens envolventes. Além do box ser maravilhoso, as capas dos livros são lindas demais! Recomendo a leitura! Com certeza a família Smythe-Smith ganhou um lugar no meu coração junto à família Bridgerton.

Thaisa Napolitano

Filme

CORRA! (É muito Black Mirror!)

ssss.jpg

A trama de “Corra!” (Get Out! – 2017), primeiro filme escrito e dirigido por Jordan Peele, conta a história de Chris (Daniel Kaluuya; quem assistiu “Black Mirror” lembrará do ator no episódio “Fifteen Million Merits”) um jovem negro que se encontra na tensa situação de conhecer a família de sua namorada caucasiana Rose (Allison Williams).  A princípio há uma nítida preocupação de Chris de como a família irá lidar ao saber do relacionamento da filha com um rapaz um negro, porém Rose o acalma ao dizer que vai ficar tudo bem e garante que não haverá problema algum.

Ao se deparar com a família da namorada, Chris vive situações extremamente desconfortáveis e constrangedoras. Entretanto, acredita que trata-se de um esforço (mesmo que falho) dos parentes de Rose em lidar com toda a inesperada situação. Porém, com o passar do tempo, Chris começa a desconfiar do comportamento da família e de todos que ali trabalham. O jovem sequer imagina o segredo perturbador que permeia aquele ambiente desconfortável.

54551_w840h525_1493147437corra-b.jpg

Muito mais do que um filme de suspense, “Corra!” traz consigo reflexões profundas acerca do racismo velado tão presente no cotidiano. Levanta questões importantíssimas que passam muitas vezes despercebidas por nós, um verdadeiro choque de realidade em um tom sagaz de crítica social. É um filme que nos deixa intrigados do início ao fim, curiosos a ponto de ficarmos inquietos na poltrona do cinema. Sua trilha sonora é incrivelmente perturbadora, se encaixa perfeitamente aos momentos de tensão do personagem principal e acompanha de forma certeira todas as emoções propostas em cada cena.

183332.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx.jpg

Todos os acontecimentos do filme são de cair o queixo, porém não significa que não há uma lógica. Mesmo cada acontecimento beirando ao absurdo, em momento algum o espectador questionará o seu sentido, cada detalhe é tão bem amarrado que nos convence a ponto de nos fazer mergulhar intensamente na história. Um filme de suspense, ficção, terror, com uma pitada de comédia (essa última parte fica responsável pelo comediante Lil Rel Howery que rouba a cena ao quebrar os momentos de tensão), “Corra!” é a escolha perfeita para um espectador que está a procura de um filme inteligente recheado de emoções e mistério com um final inesperado.

Link do trailer legendado disponível abaixo:

Corra! – Trailer Oficial (Universal Pictures) HD

12(4)

Imagens: Copyright Universal Pictures International France.

Elenco: Daniel Kaluuya (Chris Washington); Allison Williams (Rose Armitage); Catherine Keener (Missy Armitage); Bradley Whitford (Dean Armitage); Caleb Landry Jones (Jeremy Armitage); Lakeith Stanfield (Andrew Logan King); Stephen Root (Jim Hudson) e Lil Rel Howery (Rod Williams).

Thatiana Napolitano

Filme

The Discovery e a busca de uma nova chance

297060

Como resultado de uma das produções da Netflix, o filme The Discovery possui uma premissa bastante interessante: é cientificamente comprovado a existência de vida após a morte ou melhor “um novo plano de existência”, cuja descoberta trará consequências surpreendentes para o futuro da sociedade.

O cientista Thomas Harber é o grande responsável por essa descoberta instigante e estará disposto a aprofundá-la, ir cada vez mais além dos seus 40 anos de estudo. Porém, ao divulgar o seu grande feito e despertar a curiosidade, milhões de pessoas recorrem ao suicídio a fim de “chegar lá” e encontrar uma nova chance. Como consequência do impacto causado pela sua descoberta, o cientista acaba se isolando para dar continuidade aos seus estudos científicos.

Um dos seus filhos, Will, vai ao encontro de seu pai para conversar sobre suas investigações que estão afetando drasticamente o mundo e tentar convencê-lo a dar um fim a sua pesquisa. É neste percurso que Will conhece Isla, uma mulher interessante que lhe parece um tanto familiar e que nele despertará uma paixão. A partir desse momento, a história começa a se desenrolar e traçar uma trajetória bastante intrigante.

20bfeb8355a968ba2963c61bb70cefc8a523d108

Mais do que um filme de ficção científica, The Discovery traz consigo bastante drama e muitas reflexões. Seu foco gira em torno do conceito que está por trás dessa grande descoberta científica, e também sobre o poder das nossas ações que podem alterar profundamente a vida de uma pessoa e consequentemente gerar muitos arrependimentos.

Apesar de não ser um filme unicamente sobre o assunto “vida após a morte”, toda a sua ideia nos faz pensar se a morte seria de fato um fim inquestionável ou um recomeço, uma nova chance. Não nos traz o céu ou o inferno como um possível destino, nem o simples fim, tornando assim sua solução bastante surpreendente ao trazer uma nova perspectiva sobre o assunto.

Assistir ao filme sem grandes expectativas e pretensões me parece mais proveitoso, pois o seu fim nos levantará diversos questionamentos e reflexões inesperadas: A ciência de fato tem tanto peso e responsabilidade em relação a vida das pessoas? E se houvesse vida após a morte, teríamos uma nova chance de fazer diferente?

São dessas e outras inúmeras questões que o filme fará bom uso no decorrer da história, nos deixando cada vez mais envolvidos e curiosos em meio a tantas descobertas.

O link do trailer está disponível abaixo, vale a pena conferir!

The Discovery (2017) Filme Original Netflix – Trailer Legendado

Elenco: Robert Redford (Thomas Harber); Jason Segel (Will); Rooney Mara (Isla); Jesse Plemons (Toby); Riley Keough (Lacey); Ron Canada (Cooper).

 Thatiana Napolitano