livro

Resenha: Quando a Noite Cai – Carina Rissi

18928246_10212979851716478_1397149445_n

Título: Quando a Noite Cai

Ano: 2017

Editora: Verus Editora

Autor: Carina Rissi

Número de Páginas: 447

Quando a Noite Cai é o mais novo livro da escritora brasileira Carina Rissi. É o primeiro livro dela que leio e quando o terminei compreendi todos os elogios que ouvi da autora que é considerada a rainha do Chick-lit.

Nossa protagonista Briana Pinheiro é uma pessoa com pouca sorte, não consegue se manter em um emprego e precisa de dinheiro para ajudar a mãe, já que a pensão da família não vai muito bem, na verdade está bem perto de fechar as portas. Além de todas essas responsabilidades, quando Briana vai para a cama à noite ela sonha com castelos, espadas, aldeias e um guerreiro irlandês. Quando é demitida pela terceira vez dentro de um mês, Bri continua com a coragem que tem para procurar um novo emprego e em busca disso sua vida acaba cruzando com a de Gael O’Connor.

Gael O’Connor é uma pessoa bem reservada, de poucas palavras e possui um olhar misterioso. Grande empresário, Gael oferece emprego para Briana em uma de suas empresas.  Com essa grande oportunidade em mãos, Briana tenta manter a sua má sorte longe do escritório para tentar se manter no emprego o mais tempo possível. Além de cuidar de sua má sorte, ela tenta não confundir seu misterioso chefe com o  guerreiro que invade seus sonhos, pois são muito parecidos, de forma a parecer que o homem dos seus sonhos saiu do mundo imaginário para a vida real.

Porque meu coração estúpido havia misturado tudo. Apesar de todas as minhas tentativas de manter as histórias separadas, ele não conseguiu discernir o que era real da fantasia. 

Briana é uma personagem muito rica, apesar de não ter a sorte ao seu lado, ela não se deixa abater pelos infortúnios do destino. Alegre, cheia de humor e corajosa, corre atrás de emprego e maneiras que possam ajudar a mãe e a irmã, que não trabalha para que possa terminar a sua faculdade. Sempre colocando a família em primeiro lugar, Briana acaba se esquecendo de suas vontades e de seus sonhos.

Porque, quando se ama, por mais impossível que possa parecer, a esperança persiste e você luta até o último suspiro.

Com muita magia, paixão e mistérios, Quando a Noite Cai nos envolve. Demorei um pouco para engatar a leitura pois estava com os personagens do último livro que li na cabeça, mas em nenhum momento a leitura ficou desinteressante, pelo contrário, ia ficando cada vez mais gostosa, interessante a medida que os mistérios iam sendo apresentados, dando aquele frio na barriga nos fazendo ler e engolir o livro rapidamente, num piscar de olhos.

A magia do livro, da escrita da autora me envolveram de tal forma que eu não conseguia mais parar de ler, ansiosa para saber os desfechos, que a Carina conseguiu amarrar muito bem sem deixar dúvida alguma. Super envolvida na leitura, me peguei diversas vezes pesquisando sobre os lugares da Irlanda que são citados na história e fiquei maravilhada ao saber que eles existem, me deixando muito mais apaixonada pela história de Briana e Gael.

 

É natural do ser humano lutar. E, sempre que nos sentimos ameaçados, acuados, amedrontados ou feridos, nós atacamos porque é o jeito mais fácil de mascarar a dor. Perdoar exige muito mais: mais bravura, mais coragem, mais força.

Mesmo ouvindo muito bem sobre o livro e autora, tentei não elevar minhas expectativas,  e acabei encontrando com uma história muito diferente do que eu já li, esse foi o ponto alto da leitura para mim. Com toda a certeza essa história vai aquecer meu coração toda vez que vir o livro na prateleira e com mais certeza ainda, essa é uma história de amor puro que é para ser lida e relida. Recomendo a leitura e estou muito ansiosa para ler os próximos livros da autora.

Thaisa Napolitano

Anúncios
livro

Resenha: Cadu e Mari – A. C. Meyer

 

19239725_10213093919648105_701120300_n

Título: Cadu e Mari

Ano: 2017

Editora: Galera Record

Autor: A. C. Meyer

Número de Páginas: 280

Cadu e Mari, um livro de A. C. Meyer, conta a história de um casal que parece que foram feitos um para o outro. Mariana é assistente do presidente da empresa Be, uma das revistas de moda mais conceituadas do país. Carlos Eduardo, o nosso Cadu, é o presidente desta empresa, que “herdou” do pai como uma forma de “castigo” pela sua adolescência “louca”, e acaba se apaixonando pelo trabalho e a empresa se torna essencial para sua vida.

Mariana é uma jovem forte, profissional, inteligente e braço direito do Cadu. Uma mulher que não tem o corpo de modelo, como as que estampam as capas da revista e se sente fora da “caixinha” por não se encaixar nos padrões de beleza. Assim como qualquer jovem que já amou, Mari já teve seu coração machucado e por conta disso tem receio de se entregar, de se abrir totalmente e voar nas nuvens para que quando a decepção chegar, a queda não seja grande.

Cadu, é um homem bonito, com lindas covinhas e com um corpo definido. Gosta do sol, de surfar e de mulheres. Mas gosta de mulheres com estilo distinto da Mari. Presidente de uma grande revista de moda, Cadu não ficou com algumas mulheres, mas com várias e modelos. Mas um belo dia, ele vê Mari com outros olhos  e começa a investir na sua secretária que é bastante profissional.

Mariana me conquistou de primeira, é uma personagem com vivências reais, por isso é fácil se identificar com ela. Quando Cadu começa a correr atrás da Mari fiquei muito incomodada com a maneira dele de agir e não me simpatizei com o belo moço no início.

Ao longo das semanas, Cadu e Mari acabam se apaixonando, mas o mundo a sua volta não os aprovam e eles terão que mostrar que estão prontos e maduros para enfrentar os preconceitos, intrigas e até um golpe na empresa de Cadu.

A leitura é muito fluída! Vamos lendo, nos envolvendo com a história que se passa no Rio de Janeiro, e quando vemos, estamos sofrendo com a Mari, com o Cadu e já estamos no meio do livro! :O Nas primeiras páginas, vemos uma playlist, com músicas que representam os capítulos e podemos escutar enquanto lemos.  A escrita é muito gostosa, a história é narrada em primeira pessoa, alternando em capítulos curtos entre Mari e Cadu, que interagem com o leitor como se estivéssemos dentro do livro com eles. É uma história que aborda interesses que incentivam pessoas a passar por cima dos outros, mistura de classes sociais, perdão, confiança e nos mostra o quanto o amor é um sentimento poderoso.

O amor verdadeiro perdoa, entende, suporta. Nunca duvide do poder do amor.

Não conhecia a autora, e ela foi me conquistando aos poucos, sem reparar que estava com saudade dos personagens, da história e da escrita deliciosa de Meyer. Cadu e Mari é um livro agradável, para ser lido em qualquer hora e lugar, que nos faz esquecer do que está a nossa volta por conta de sua leveza.

Thaisa Napolitano

livro

Resenha “A Rosa e o Florete”

rosa_e_o_florete_a

Título: A Rosa e o Florete.

Ano:2016

Editora: Novo Século,

Autora: Mariana Pacheco.

Guilhermina D’anjour é filha de uma austríaca e de um comandante da guarda real francesa. Quando o pai morre deixa em testamento um pedido ao rei Luís: “coloque minha filha em meu lugar”.

Treinada desde os sete anos no manejo do florete Mirna, como o narrador a chama, está pronta para o serviço, mas precisa convencer ao rei e derrotar setenta soldados em combate.

Comprei a história de Mirna bem empolgada na livraria Nobel há alguns meses. A sinopse era bem interessante e eu adoro mulheres protagonizando em meios tidos como exclusivamente masculinos. Então parecia que era meu destino ler a história escrita pela Mariana, mas descobri que tenho algumas coisas a criticar em seu trabalho. Vamos lá:

A autora tem uma escrita madura e segura e de forma nenhuma dá aquela impressão de que “já li esse livro com outro nome e outros personagens” porque seu estilo difere da maioria das autoras contemporâneas, porém o livro é morno, com quase nenhuma emoção. Na minha humilde opinião, é um defeito grave pois o texto trata de um momento histórico onde os ânimos estavam exacerbados: A Revolução Francesa. Era preciso que os momentos críticos fossem mais bem descritos, tinha que ter detalhes das lutas, dos discursos, dos enfrentamentos etc, mas a autora opta por uma narrativa quase harmônica sem chegar a um ápice.

De modo geral, acho que em nenhum dos momentos tratados do livro ela se aprofunda em algo. Faltou fazer um recorte do período histórico porque ela trata em único livro de toda a vida da Guilhermina (exatos 60 anos) do nascimento ao falecimento, passando pela Revolução Francesa e pelas Guerras Napoleônicas. Num capítulo Guilhermina tem 7 anos e no outro já tem 10 e está perdendo um dos pais. De repente se a autora tivesse dividido a história em duas partes teria sido melhor sem dar essa pressa para os fatos se desenvolverem.

Nesse aspecto o que mais quebrou a minha expectativa é que Mirna vence setenta soldados e a descrição das batalhas é quase nula. Faltou pesquisar luta de espadas no YouTube para narrar as lutas. Nessa altura da história outra coisa me desapontou um pouco: todos, com a exceção de um soldado, aceitaram na boa ter uma mulher como comandante, ao contrário do que eu imaginaria, pois ser derrotado por uma adolescente deveria ter ferido o orgulho deles e criado muitos problemas para a moça. No entanto a autora opta por formar um grupo parecido com os “três mosqueteiros” onde Mirna era a mandachuva.

Fora isso, acho que Mariana pode ter um grande futuro como escritora. Não sei se é seu primeiro livro, mas o domínio que apresenta dos elementos narrativos (personagens, enredo, narrador etc) deixaram a trama bem amarradinha. Para ficar perfeito, sugiro apenas que passe mais tempo descrevendo as partes mais importantes sem ter pressa de terminar.

 

Aleska Lemos.