Séries

A pior bruxa

38063030e9a228d5e2c554289d0f583e4eb95220

Lançamento da Netflix, “A pior bruxa” conta a história de uma menina que por acaso descobre que é bruxa(uma colega cai de vassoura em sua varanda). Numa escola de bruxaria só para garotas, Mildred, uma bruxa bem atrapalhada vai precisar de muita coragem para salvar a escola e ser aceita.

7469c5c2afec789016e8fc83102cd54643c1f2b9

Se fosse para dar uma nota para a série eu daria 6, pois é divertida e tem personagens legais, mas é claramente inspirada em Harry Potter, desde o castelo onde as crianças estudam às versões femininas de Snape e Draco e uma versão rechonchuda da Hermione (tem do Rony também, mas é meio misturada com os gêmeos Weasley).

Talvez você que assistiu discorde de mim, mas se por acaso já chegou na aula de vôo, acredito que não há como negar a inspiração. Mildred precisa estender a mão para mandar a vassoura subir, assim como na Pedra Filosofal, a diferença é que ela precisa levar um gato para voar que tem medo de altura.09f2f3495900c822538a6791cf770a18c32ffbcd

O mais estranho é que a personagem principal é representada nada mais nada menos que a  atriz  que interpreta a Lady mais querida do Norte de Westeros: lady Lyanna Mormont. Quem vir vai ter a certeza que a baixinha é boa atriz porque ela é o completo oposto na série infantil da Netflix.

Porém o resto não é muito legal. A diretora não tem o carisma do Dumbledore e a rixa dela com a irmã é meio boba, mal feita e é central na história.  Acho que é uma série para matar o tempo, mas que corre o risco de agradar os pequenos até porque cada episódio tem 30 minutos e é super facinho terminar de assistir. Foram 12 episódios super rápidos e fofinhos.

E você animou de assistir?

PS: Se parecer que está confuso se gostei ou não, bem você está certo, porque achei legalzinho, mas não foi essa coca cola toda.

beijos da Aleska!

Anúncios
livro

Resenha: A Guerra que Salvou a Minha Vida – Kimberly Brubaker Bradley

20370693_10213535806454999_2072095782_n

Título: A Guerra que Salvou a Minha Vida

Ano: 2017

Editora: DarkSide

Autor: Kimberly Brubaker Bradley

Número de Páginas: 240

Um livro forte, intenso e ao mesmo tempo puro, contado por uma criança que luta em uma guerra dentro de casa. Ada é uma menina com aproximadamente 10 anos (é o que ela acha) que é maltratada pela mãe por possuir um pé torto. Ada mora com sua mãe e seu irmão Jaime que tem 6 anos, moram num pequeno apartamento, onde Ada fica presa, olhando o seu irmão e as pessoas viverem a vida pela janela de seu apartamento.

Ada, faz tudo em casa, cuida do seu irmão como se fosse o seu filho, faz a limpeza e prepara o café da manhã, e faz tudo rastejando por não conseguir andar por conta de seu pé, sentindo fortes dores. E ai dela se reclamar, a mãe a coloca dentro de um armário debaixo da pia e ainda apanha.

Com a ameaça de Londres ser bombardeada, Ada foge junto com Jaime para o interior, junto com outras crianças que foram mandadas pelos pais zelando a segurança deles. E é nessa viagem que a vida de Ada começa, a menina que ficou trancafiada em casa começa a descobrir o mundo, fazendo descobertas que a janela de seu apartamento não lhe proporcionava.

Eles são acolhidos por Susan, que vive com os custos de cavalos de sua falecida amiga que foram vendidos. Jaime e Ada a consideram rica, pois lá eles não passam fome, e tem mais peças de roupas que antes possuíam, e tomam banho todos os dias, uma vida totalmente diferentes da que levavam. E é nessa nova casa, nova vida, que Ada nos conta sua história, suas descobertas e suas novas amizades.

Apesar de Ada ter apenas 10 anos, ela é uma criança muito forte, que aguenta suas dores, que aguentou apanhar de sua mãe, e aguentou o fato de não possuir uma família estruturada e unida. Vemos a personagem crescer, e mesmo tendo pensamentos e questionamentos além de sua idade, Ada tem seus medos, suas birras de criança. É no olhar dela que sentimos o medo de quem está esperando por uma guerra, mesmo lutando a sua própria. É com os olhos de Ada que sentimos a aflição das bombas da segunda guerra, a angustia de entrar em um abrigo e escutar sua cidade, seu novo lar, ser bombardeado.

Mesmo se tratando de guerra, a história não é pesada. O enredo possui uma leveza, que nos envolve já na primeira frase do livro. É contagiante a maneira como Ada nos conta a sua história. É um livro lindo, uma história linda demais, que por vezes me deu vontade de pegar a Ada no colo e aninhá-la.

20400977_10213536013820183_715933840_n

A edição da DarkSide está linda, e os detalhes de botões e retalhos na capa tem tudo a ver com a história. Ada ficará no meu coração e esse com certeza foi um dos melhores livros que li esse ano. A Guerra que Salvou a Minha Vida é uma história de amor ao próximo, de perdas e ganhos na vida, que aborda o preconceito e o desmanche do mesmo, um livro que mudou a minha visão assim que o terminei. Recomendo se aventurar e conhecer um pouco da vida de Ada e a guerra que salvou a vida dela.

Thaisa Napolitano

livro

Resenha: O Condenado.

20370493_1481862791908768_308478118_n

Título:O Condenado;

Autor: Bernard Cornwell;

Ano: 2001, no Brasil em 2011,

Editora: Record.

Sinopse do Skoob:Considerado o melhor romance histórico publicado na Inglaterra em 2001, O CONDENADO apresenta Bernard Cornwell em sua melhor forma, com elementos de literatura policial que resultam em um thriller realista, ambientado na Londres do início do século XIX.
Charles Corday é acusado de assassinar uma condessa de quem pintava o retrato. Esquecido na temida Prisão de Newgate, restam-lhe apenas sete dias de vida antes de ser enforcado. Rider Sandman, um capitão temperamental que vive tempos difíceis depois de participar da Batalha de Waterloo, é convocado para investigar o crime. A investigação o levará a uma emocionante jornada pelos fétidos porões da prisão e pelos perfumados salões da aristocracia londrina. Enérgico e durão, Sandman é hábil com a espada e exímio jogador de críquete. E em sua arriscada empreitada conta apenas com a própria inteligência e um grupo de aliados nada convencionais: Sally Hood, modelo vivo de passado comprometedor; lorde Alexander, um fervoroso reverendo e também amante do críquete; e o velho companheiro de batalha, sargento Berrigan.
Mestre em persoangens marcantes, Cornwell faz desse grupo um quarteto inesquecível, que luta contra nobres ricos e cruéis, a fim de salvar a vida de um inocente. Apontado como o melhor escritor de romances históricos de sua geração, o autor combina o gosto por detalhes com um enredo de tirar o fôlego e um estilo cujo realismo é por vezes chocante.

Como todo livro do Cornwell, O condenado,  foi bem fundamentado historicamente, mas a história não é boa apenas por isso. O autor é muito bom em construir personagens sólidos e foge de descrições planas. Digo isso porque apesar de alguns apresentarem bom caráter, não há uma viva alma literária ali que seja perfeita. Todos são complexos e nenhum é inocente demais a ponto de parecer trouxa o tempo todo.

É possível dizer que a malícia reina nas linhas de Cornwell, principalmente porque ele fala da realidade dos enjeitados da Inglaterra, ou seja todos os tipos de pessoa que vivem à margem da sociedade: atrizes, prostitutas, ladrões, artistas, gays e por aí vai. Mostra como a realidade era dura e como as pessoas sempre dão um jeitinho de contornar as dificuldades.

Outra coisa que sempre atrai na  escrita do autor e que está bem presente nesse livro, é o senso crítico. Tanto a religião quanto as classes abastadas aparecem sob um viés bastante racional, o que pode gerar um desconforto inicial, mas que vai te levar a pensar de uma forma diferente.

Quanto ao enredo, bem  foi uma novidade para mim. Estava acostumada a ler livros dele sobre guerras e este no fim foi de mistério. Não achei ruim essa incursão num novo estilo, mas acho que Sandman não é nenhum Sherlock Holmes, na verdade é um cara que precisa de dinheiro, mas por causa da sua honra não consegue deixar um inocente ser enforcado e banca o detetive.

No início Rider me pareceu meio “cru” no ramo investigativo, mas a trama é boa, prende e te dá vontade de saber se Corday vai ou não morrer. Fiquei também com curiosidade para saber se o personagem vai ajudar a evitar que inocentes morram em Newgate no futuro ou vai se juntar a Berrigan e Sally no tal negócio que desejam montar (o que seria uma pena).

Espero que tenham gostado da resenha e anotado a dica. Grande abraço,

Aleska Lemos.

livro

Resenha: Pollyanna – Eleanor H. Porter

20179617_10213454128173093_1883101840_n

Título: Pollyanna

Ano: 2017

Editora: Autêntica

Autor: Eleanor H. Porter

Número de Páginas: 180

A história de Pollyanna foi escrita em 1912 e lançada como livro em 1913, e conquista até os dias de hoje novos leitores ao redor do mundo, e eu fui uma delas. Nunca tinha ouvido falar sobre o livro e uma ida à livraria, minha parceira aqui do blog, Aleska, me apresentou Pollyanna, e desde então não consegui tira-lá da minha cabeça até ler a sua história.

Pollyanna, é uma menina de 11 anos que após perder a sua mãe, perde seu pai também. Seu pai era pastor da Igreja e viviam com o que a Igreja e as senhoras podiam lhe dar. Orfã, ela possui uma única parente viva, que é a sua tia, irmã de sua mãe, Miss Polly Harrington. Pollyanna é acolhida por sua tia Polly, que encara essa situação como um dever a ser cumprido.

Miss Polly é uma mulher formal, muito fechada, sozinha, que vive rodeada de seus empregados em uma grande casa próxima a uma colina. Ao receber sua sobrinha, Miss Polly não baixa a guarda para a criança que adora se comunicar e jogar o Jogo do Contente, que seu pai lhe ensinou. Aos poucos, Pollyanna vai conquistando os moradores da cidade e ensinando-lhes o jogo.

Pollyanna é um menina muito doce, carismática e muito prestativa. Sua forma de ver a vida contagia a todos e nos contagia também, que acabamos tão envolvidos com sua doçura que vamos jogando com ela. Sua forma de ver a vida, as pessoas, a natureza é com muita pureza, sempre querendo ajudar aos outros. É uma menina encantadora, que apesar da idade, me impressionou muito sua maneira de ver o mundo.

A história de Eleanor Porter, é um clássico, depois de tantos anos de sua primeira edição, sua história continua atual. Pollyana ganhou adaptação para o cinema, e continuação, Pollyanna Moça. Outros títulos foram lançados, mas não foram escritos por Eleanor. A escrita é bem dinâmica, rápida de ser lida, com capítulos curtos, um livro que pode ser lido em um dia, se tivermos tempo. Recomendo de olhos fechados essa leitura para todas as idades!

Thaisa Napolitano

livro

Resenha: Os 12 Signos de Valentina – Raíssa Tavares

20045772_10213395250461187_157458938_n

Título: OS 12 Signos de Valentina

Ano: 2017

Editora: Galera Record

Autor: Raíssa Tavares

Número de Páginas: 392

Isadora Mônaco é uma jovem estudante de jornalismo que acabou de sair de um relacionamento com um final traumático. Seu namorado a traiu com uma das melhores amigas dela da faculdade – essa aí não é amiga, muito menos melhor-  e a descoberta da traição foi em seu aniversário de 22 anos com direito a platéia. Isa entrou em depressão, acreditando que a traição de seu ex-namorado era por culpa dela.

O negócio é que nenhum filme da Disney te prepara para a dor de uma traição, ou a constatação de que os seis anos que se passaram não significaram absolutamente nada para a pessoa com quem você compartilhou cada alegria e tristeza. Todos os bons momentos, todos os beijos, abraços, risadas, jantares, planos, filmes, viagens… tudo jogado na lata de lixo.”

Marina é prima de Isa, e cansada de vê-la deprimida mês após mês, chega no quarto dela e consegue depois de tanto insistir com que Isadora a acompanhe em uma festa de um amigo do Rodrigo, namorado de Marina. Marina é a prima e amiga que todas nós queremos e devemos ter. É aquela que te apoia mesmo não concordando com o que você irá fazer, aquela que está sempre ao seu lado e Isadora é muito grata a isso.

Ao chegar na balada, Isadora decide beber para afogar as mágoas e acaba conversando com Marisa, a moça da limpeza do banheiro, que acaba falando algo que faz com que a Marina entenda porque o seu namoro não deu certo com Lucas. Ela é ariana e ele é de peixes,  o infernal astral do signo dela.

Nada nunca havia me parecido tão óbvio! Quero dizer, se estava escrito nas estrelas que não daria certo, quem era eu para ir contra o plano do universo?”

Com essa nova informação, Isadora vai procurar saber mais sobre astrologia e acaba se tornando a louca dos signos. Marina incentiva Isadora a ficar com um menino de cada signo para quem sabe encontrar alguém legal e sair dessa bad. Na faculdade, seu professor de jornalismo online, passa um trabalho no qual os alunos precisam criar um blog investigativo e assim surge Os 12 Signos de Valentina. Isadora se empolga tanto com  a experiência que as coisas acabam fugindo do controle por achar que os signos podem influenciar seus relacionamentos. Será que vai ser tarde demais quando ela abrir os olhos e sair dessa obsessão para perceber que são as atitudes das pessoas que fazem elas serem o que são? Ou os signos vão continuar influenciando Isadora?

Não é o tempo que você passa com a pessoa que define o comprometimento, e sim a facilidade com a qual vocês desistem um do outro.”

20117245_10213395282701993_772627258_n

Ray Tavares tem uma escrita super leve, que te prende do início ao fim. É uma escrita muito inteligente, com muito bom humor, há citação de filmes, séries, programas de TV que me fizeram relembrar minha infância e momentos em que eu assistia algo que foi citado. Adorei ler um livro que fala de uma garota passando o rodo no zodíaco, e que em nenhum momento a escritora deixou de enfatizar a visão de homem X mulher perante a sociedade, o senso comum. Isadora é uma garota poderosa, que reconquista sua confiança com a Valentina. Me tornei fã de Isadora, e principalmente de Ray Tavares, que nos deu personagens bem estruturados e maravilhosos, com defeitos e perfeições.

O lançamento de Os 12 Signos de Valentina aconteceu aqui no Rio de Janeiro no dia 01 de Julho e infelizmente não pude conhecê-la pessoalmente. Posteriormente troquei algumas mensagens com ela e o pouco que nos falamos, e o pouco que minha mãe e minha irmã disseram sobre sua simpatia, pude imaginar a autora por trás de Isadora Monâco.

19911943_10213872451951317_1954468343_o
Raíssa Tavares, Maria e Thaty
19893814_10213397318432885_350826201_o

Se eu recomendo esse livro? Não há dúvidas disso! Então pegue o livro e se delicie com essa aventura astrológica, que assim como eu não pensei duas vezes e sai furando a fila de leitura assim que recebi o livro de meus pais. Beijos!

Thaisa Napolitano

livro

Resenha: Casada Até Quarta – Catheryne Bybee

19883832_10213365959168923_1893703878_n

Título: Casada Até Quarta

Ano: 2017

Editora: Verus

Autor: Catheryne Bybee

Número de Páginas: 196

Casada Até Quarta é o primeiro volume da série Noivas da Semana. Um livro rápido e fácil de ler, que podemos finalizar em poucas horas. Esse foi o meu primeiro contato com a autora Catheryne Bybee e gostei muito da escrita dela. Com narrativa em terceira pessoa, fui envolvida na trama rapidamente e me encantei de cara com a Sam.

Sam Elliot é uma personagem super forte, que cresceu em uma família rica e que viu a sua família se desmembrar por conta de um escândalo. Seu pai foi preso, sua mãe se matou e sua irmã tentou seguir os mesmos passos da mãe e acabou tendo complicações que a levaram a ser internada em uma clínica especializada em acidentes vasculares cerebrais. Bonita, forte, inteligente e trabalhadora, Sam encontrou seu caminho com a agência de casamentos, Alliance, com a qual paga os altos custos da clínica para manter sua irmã em bons cuidados.

Blake Harrison, é um nobre, rico e super charmoso, um duque que está à procura de uma esposa, o mais rápido possível por conta de um testamento que o seu pai deixou. Blake fez sua fortuna sozinho e não fazia o que o pai mandava, sempre indo contra ele e depois de morto, seu pai deixou um testamento com cláusulas bem amarradas, fazendo com que seu filho, Blake, o obedeça. Blake tem menos de um mês para encontrar uma esposa para não perder a herança milionária de seu pai e com isso contrata a Alliance para encontrar a esposa ideal para ele. O que ele não esperava era encontrar uma mulher frente aos negócios da Alliance e no final das contas, acredita que a esposa ideal para ele não seria as mulheres que ele escolheria dentro das opções de Sam e sim a própria Sam.

Após investigar a vida de Samantha, Blake descobre vários segredos dela e marca um jantar com o intuito de fazer acordo com a Sam. Sabendo de suas dívidas e da situação de sua irmã na clínica, Blake oferece um quantia alta para que ela se case com ele e mais a porcentagem pedida no contrato da empresa Alliance. Samantha acaba aceitando a proposta por conta do altíssimo valor em jogo que a ajudaria bastante, afinal são 10 milhões de doláres!

Sam não esperava que por trás desse acordo eles teriam que enfrentar advogados do falecido pai de Blake, ex-namoradas do nosso protagonista que ficaram sabendo pela mídia que ele tinha se casado, e um primo que se Blake não cumprisse as cláusulas do testamento receberia a herança milionária. Após o casório, Blake descobre uma cláusula que vai deixá-lo confuso, sem saber como contar a sua esposa dessa novidade, com a qual combinara que a relação entre eles seria honesta, sem segredos, Blake deixa para contar depois, e com isso novas complicações vão surgindo, novas intrigas que podem acabar desmascarando o casamento de fachada dos dois.

19894378_10213365959248925_993671993_n

Tendo que mostrar a família de Blake e principalmente aos advogados do pai de Blake que estão apaixonados, um sentimento entre eles acaba surgindo e com ele vem a dúvida, a vontade de saber se o outro também sente o mesmo, deixando assim a situação mais complicada, pois o casamento deles tem prazo de validade.

Enquanto o mundo se calava e Blake murmurava palavras doces, Samantha sabia que estava em apuros. Apaixonar-se por seu marido não fazia parte dos seus planos.”

Casada Até Quarta é um romance muito leve e doce, que nos deixa suspirando com seus protagonistas que são bem desenvolvidos, nos deixando bem íntimos, pois vamos conhecendo cada segredo, a dor de cada um e principalmente seus pensamentos. Sam como já disse me conquistou logo de cara por conta de sua determinação e profissionalismo, e Blake foi me conquistando com seus gestos fofos, com sua preocupação pelo bem estar de sua esposa que me fizeram torcer ainda mais pelo casal.

A história de Catheryne tem seus clichês, mas é uma história que nos leva nas nuvens por conta de sua narrativa ser fácil, nos transportando imediatamente para as cenas descritas dificultando a nossa saída da leitura. A capa é linda! As cores são lindas! Confesso que me apaixonei primeiro pela capa e os próximos livros não vão deixar a desejar, pois as cores estão lindas também! Se você quer ler um livro leve com algumas intrigas e romance, eu recomendo esse livro! Quero muito ler o próximo livro e estou desejando que os outros volumes sejam lançados logo, para poder dar a continuidade devida a essa série. E pergunto a você:  Você se casaria com um estranho por 10 milhões de doláres?

Thaisa Napolitano

Séries, Sem categoria

1ª Temporada de Super Girl

 

imagehandlerSinopse: Kara Zor- El é nada mais, nada menos que a prima mais velha do Super Homem. Antes da destruição de Kripton ela foi colocada numa nave espacial para cuidar do primo quando ele chegasse a Terra, mas por um acaso infeliz ela ficou presa durante anos numa zona fantasma e acabou chegando depois de Kal- El (SUPER MAN) encontrando-o já um adulto.

Sem ter alguém para proteger, Kara resolve ser uma mulher normal e viver como uma terráquea com sua família adotiva, até que por um impulso salva um avião comercial e todas as pessoas dentro dele. A partir daí ela toma coragem para viver a heroína que sempre desejou ser.

Minha opinião:

Bem, SuperGirl parece ter sido feita para ser facilmente consumida. Tem aqueles clichés de que lutar pelo bem exige ética, bondade demais contra maldade excessiva e personagem principal muito idealizado. Tudo aquilo que programas dirigidos para adolescentes tem, mas eu até que gostei, confesso.

Supergirl_TV_Series_0001

A trama não é a mais inovadora dos últimos tempos e algumas coisas me incomodam, como várias semelhanças na ambientação da história do Super Homem, por exemplo (sério roteiristas que a Kara precisava trabalhar para a mídia também?E sério que alguém esconde a identidade secreta com óculos de chumbo?), mas a série tem seus pontos positivos.

A primeira vista, Kara parece uma pirralha birrenta que não sabe como lidar com o inimigo, mas também não aceita ajuda de Kal-El e por isso sai fazendo besteira, mas a heroína cresce. Aprende a controlar a raiva, os impulsos e vai melhorando seu estilo de luta kryptoniano. Em outras palavras: se mostra uma heroína de verdade e não uma Sailor Moon que muitas vezes depende do namorado para vencer uma luta (o que eu acho muito injusto com as mulheres).

543496

Gostei também de não terem explorado demais o corpo da heroína. Mulheres no universo das HQ’s tendiam a ser hipersexualizadas e fragilizadas, tipo “você está lá porque tem uma cota para mulheres, mas você não é tão importante assim para a trama”. Acho que era por isso que eu não me interessava por elas na infância/adolescência. Em outras palavras Kara tem minha aprovação.

Fora das questões de gênero, acho que tenho que elogiar também os personagens da história. Não são tão complexos assim, mas não diria que são totalmente planos. Cat Grant, por exemplo é uma FDP adorável (uma das minhas preferidas) e ninguém nunca segura aquela língua. Adoro o fato dela ser rival da Lois Lane e não ter vergonha das próprias inimizades. Kara é boazinha na maior parte do tempo, mas ainda bem que temos kryptonita vermelha para mostrar as contradições dela(risos) porque a vida amorosa da jovem é terrivelmente chata para empolgar.

Touching_Kara_shares_a_moment_with_James_Olsen_Mehcad_Brooks

Os pretendentes da Kara são fofos, mas nenhum em especial tem uma personalidade muito marcante (ok um deles é gato- momento explosão de hormônios), mas os vilões são bem mais interessantes e complexos.

Por fim, acho que vou acompanhar essa série para ver onde essa menina vai parar e se a cara do Super Homem vai aparecer realmente algum dia desses (fico curiosa para saber porque ele sempre aparece borrado ou cortado da cintura para baixo, será que vão fazer uma série dele ainda?)

Filme, Sem categoria

Meu malvado favorito 3

meumalvadofavorito3

Esse domingo fui conferir o terceiro filme da franquia “Meu Malvado Favorito”. É verdade que fui com meu sobrinho, mas convenhamos: essa série é boa demais e qualquer idade se diverte assistindo, em outras palavras, eu estava realmente ansiosa para saber o que os Minions iriam aprontar.

Bem, antes de entrar na história preciso dizer que estava morrendo de medo de me decepcionar. Andei lendo a crítica na internet e algumas pessoas falaram mal, que forçaram uma barra para continuar a história e tal, mas eu discordo: o filme foi divertidíssimo!

IMG_20170702_193819_973
Eu enquadrada com os Minions. Não rir para a foto foi impossível.

Ok, eles usaram a desculpa do irmão gêmeo desaparecido e isso é cliché, mas a forma como construíram Dru foi muito boa e me faz pensar porque demoraram tanto para desenvolverem esse novo personagem. Dru e Gru tem muita química, apesar de serem o oposto um do outro.

Os Minions finalmente fizeram o que deviam ter feito assim que Gru virou pai: uma rebelião. Quer dizer, se eles são criaturas que idolatram vilões ao longo da história da humanidade, não faz sentido  seguirem um cara que desistiu da maldade né? Demorou muito até fazerem o óbvio.  O importante, porém, é que mais uma vez roubaram a cena e suas piadas estavam muito boas.

O vilão, um ex ator infantil dos anos 80, não foi um dos meus personagens favoritos, mas confesso que o estilo deu rendeu um bom caldo musical, com direito a Madonna, Michael Jackson, Dire Straits e muito mais no meio das lutas.

Achei muito bacana que os roteiristas tenham conseguido fazer uma segunda continuação bastante consistente, porque outras franquias como Shrek começaram a perder o viço no terceiro filme (quer dizer o Shrek terceiro foi legal pelo fim do Encantado, mas já achei um pouco forçado, mas “Shrek para sempre” foi terrível). Oremos para que continuem acertando nos próximos!

Meu malvado favorito3

 

 

Filme

Água para Elefantes

19925166.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Um senhor de mais de 90 anos cujo o nome é Jacob Jankowski estava ali, embaixo da chuva, em frente a entrada de um circo que acabara de finalizar o espetáculo.  Para protegê-lo da chuva, dois funcionários se prontificam a levá-lo para dentro do circo. Aquele ambiente era capaz de reviver muitas memórias de sua vida, pois os seus laços criados com o circo mudaram completamente seu destino e por isso resolve relembrá-las.

Jacob Jankowski era filho de poleneses, estudante de medicina veterinária, prestes a fazer seu último exame e se declarar formado pela Universidade Cornell. Porém, seus pais morrem em um acidente de carro e deixam muitas dívidas. Sua vida muda completamente ao se ver sozinho, sem dinheiro e sem moradia, até que um trem cruza seu caminho e Jacob resolve entrar nele, sem sequer imaginar que daquele em dia em diante tudo mudaria.

19640141.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Descobre que estava no trem do Circo Benzini Bros e tenta por meio deste seu sustento. Contratado pelo circo, recebe a função de cuidar e treinar a nova e incrível elefanta Rosie, e é nessa nova vida no circo que Jacob se apaixona por Marlena, que nada mais era a mulher de August, dono do circo. O mesmo se revelará um grande vilão, ao maltratar animais e pessoas que ali trabalhavam, fazendo com que todos vivessem em condições precárias, repletos de exaustão e fome.

O enredo do filme se desenrola no amor proibido vivido por Jacob e Marlena entre todas as dificuldades da vida no circo. O filme prende bastante a nossa atenção, porém tudo nele acontece de forma dada e simples. Os personagens principais desenvolvidos já são compreendidos de imediato, mas os outros trabalhadores do circo são personagens incríveis que poderiam ter sido mais explorados.

“Água para Elefantes”, uma adaptação do livro de Sara Gruen, é um filme para assistir sem pretensões e grandes expectativas, já que trata-se de uma história bem fluida e previsível. Porém, sua fotografia é incrível, a relação entre Jacob e a elefanta Rosie é completamente apaixonante! Vale a pena assistir, já que em meio ao romance, há bastante drama, pois o filme acerta em cheio ao mostrar a mistura de melancolia e felicidade daqueles que vivem a dura e mágica vida de circo.

19925170.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Trailer do filme abaixo: 

Direção: Francis Lawrence

Elenco: Reese Witherspoon (Marlena Rosenbluth); Robert Pattinson (Jacob Jankowski); Christoph Waltz (August Rosenbluth); Paul Schneider (Charlie O’Brien); Jim Norton (Camel); Hal Holbrook (Jacob Jankowski – idoso); Ken Foree (Earl) e James Frain (cuidador de Rosie).

Imagens: Copyright Twentieth Century Fox France

Thatiana Napolitano